GREVE SANITÁRIA: Frente à anotação de faltas, Sinteps orienta grevistas a não fazerem atividades remotas

Conforme divulgado em matéria anterior, a URH do Centro Paula Souza emitiu comunicado em 28/5/2021, no qual dá instruções para o retorno das atividades presenciais nas ETECs e, também, informa que as ausências dos servidores que não se enquadram nos afastamentos permitidos (grupos de risco, que atuem em municípios onde há decretos proibindo a atividade presencial etc.) “deverão ser lançadas como faltas nos apontamentos de frequência”.

O documento foi expedido logo após a cassação da liminar (em 26/5) que o Sinteps havia obtido e que garantia a suspensão do retorno presencial até que a pandemia de Covid-19 esteja sob controle.

Trata-se de uma evidente pressão sobre os trabalhadores, frente ao chamado do Sinteps pela adesão à greve sanitária. Como o retorno presencial traz iminente risco à vida, em meio ao descontrole da pandemia no estado e no país, o Sindicato vem conclamando todos os que forem obrigados a retornar presencialmente a se recusarem e seguirem no trabalho remoto.

 

Orientação muito importante

Diante da instrução expedida pela URH, alguns diretores já anunciaram a decisão de anotar faltas para os que estiverem em greve sanitária, apesar de estarem fazendo o trabalho remotamente. Se esta é a situação na sua unidade, a orientação do Sinteps é que você suspenda o trabalho remoto, pois isso dá ao Sindicato a condição de negociar posteriormente o cancelamento das faltas e a eventual reposição, assim como tem feito em todas as greves da categoria. 

ESSENCIAL É A VIDA! CONTEÚDOS SE RECUPERAM. A VIDA, NÃO!