FETE-SP cobra que prefeitos e prefeitas decretem a suspensão das aulas presenciais, já!

A Federação Estadual dos Trabalhadores na Educação Pública no Estado de SP (FETE-SP), da qual faz parte o Sinteps, divulgou manifesto público cobrando das prefeituras uma posição contra o retorno presencial nas escolas neste momento de agravamento da pandemia de Covid-19. Confira:

“É necessária uma reflexão. E mais do que isso, uma ação clara e contundente da FETE-SP e de todas as entidades filiadas para interromper, definitivamente, a irresponsabilidade dos executivos municipais que, mesmo tendo em mãos os piores relatórios sobre o avanço da pandemia da Covid-19 em todo Estado, insistem em manter as escolas abertas, a aglomeração de crianças, pais e funcionários. E, o que é pior, sem as mínimas perspectivas de que o fornecimento das vacinas contra a Covid-19 chegue a tempo de evitar o pior.

Das 17 regiões do Estado, 10 tiveram aumento substancial de internações e ocupação de UTI por Covid-19. Já chega a 6,5 mil pessoas. As cidades que beiram o caos são Araraquara, Bauru, Campinas, Grande São Paulo, Marília, Piracicaba, Presidente Prudente, Registro, São João da Boa Vista e Sorocaba. Ao todo, são quase 14 mil pessoas internadas, entre enfermarias e UTIs. O número de mortos aumenta e o colapso é iminente.

Uma de nossas entidades filiadas, a APEOESP, por exemplo, ingressou com um mandado de segurança para que fossem suspensas as aulas e atividades presenciais, tanto na rede estadual, quanto municipal em Araraquara e nas cidades do entorno. O juiz da 1ª Vara da Fazenda Pública acatou os argumentos e concedeu a liminar, determinando a suspensão que pleiteou. Dessa forma, os professores e trabalhadores da Educação da cidade ficaram desobrigados a comparecerem às atividades presenciais. A Covid-19 avançou na cidade e o prefeito foi obrigado a decretar o lockdown.

Assim, nós, da FETE-SP, devemos agir. Há que ser incisivos na reivindicação de decretos municipais que suspendam as aulas presenciais e mantenham o trabalho remoto, até que as vacinas cheguem.

Não podemos nos omitir. Não temos o direito de deixar professores(as) e funcionários(as) da Educação, por intransigência do poder municipal, expostos ao flagelo da Covid-19.

 

Mãos à obra.
Nilcea Fleury
Presidenta da FETE-SP”­