Sinteps reivindica ao Centro que faça justiça e amplie prazo de aceite de certificados. Envie e-mails para a Superintendência

A direção do Sinteps vem acompanhando atentamente os desdobramentos do processo de Evolução Funcional. Cada problema encontrado nas regras tem sido exposto à Superintendência do Centro Paula Souza, sempre com as devidas argumentações técnicas, jurídicas e sociais.

Após vários avanços, o Sindicato agora está pleiteando que a direção do Centro amplie o prazo de aceite dos cursos apresentados para efeitos da Promoção.

Por meio de comunicado enviado às unidades em 20/11, assinado pelo Departamento de Gestão Estratégica e Funcional, a Unidade de Recursos Humanos (URH) do Centro informou que “as titulações concluídas até 30/6/2020, com certificado expedido em data posterior, deverão ser aceitas no processo de Promoção”. No entanto, essa determinação não foi suficiente para evitar distorções e injustiças.

Ocorre que as Comissões Locais vêm interpretando a regra de modos bem diferentes. Enquanto algumas consideram válidos todos os certificados de cursos já concluídos, outras estão levando em conta somente a data de seu encerramento (até 30/6/2020).

Considerando o excepcional período de pandemia que vivemos, que mexeu com o funcionamento das instituições de ensino e com os prazos de cursos e certificações (inclusive no próprio Centro Paula Souza), o Sintepsreivindica que todos os cursos concluídos até o início do atual processo de Evolução Funcional (final de outubro) sejam aceitos pelas Comissões Locais. Além do atraso das instituições de ensino, é preciso lembrar que o próprio Centro atrasou em vários meses o início da Evolução Funcional.

 

Mande e-mail

O Sinteps orienta os trabalhadores a enviarem e-mails para a Superintendência do Centro (Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.), reivindicando que permita a aceitação de todos os certificados emitidos até final de outubro/2020. Se desejar, exponha o seu caso específico.

Não é justo com os trabalhadores que problemas que não dependem deles – como é o caso dos atrasos gerados pela pandemia – sejam motivo de prejuízo em sua vida funcional. O Sindicato clama por bom senso e sensibilidade à administração central do Centro, e fica na expectativa de que novas orientações sejam emitidas para reparar esta injustiça com os dedicados trabalhadores da nossa instituição.