Covid-19: Sinteps orienta administrativos e ADs a cobrarem aplicação correta do Comunicado 8 e oficia Centro sobre uso de EAD

O Centro Paula Souza (Ceeteps) divulgou mais um comunicado (8/2020, de 23 de março), no qual traz novas informações a respeito do trabalho de docentes, auxiliares de docentes e técnico-administrativos.


No caso destes dois últimos segmentos, o comunicado (clique para conferir) explicita que “todas as atividades presenciais das escolas devem ser suspensas, à exceção dos serviços de segurança patrimonial e de limpeza”. Também destaca que, no caso das agrícolas, deve ser estabelecido rodízio de funcionários para tratamento e alimentação dos animais. Segundo o comunicado, o regime de teletrabalho deve ser “adotado prioritariamente” e, em caso de impossibilidade de sua adoção, deverá “ser averiguada a opção de fruição de férias ou licença-prêmio (autárquicos)”.


Ainda de acordo com o comunicado 8, com relação aos casos não abrangidos pelas possibilidades elencadas, caberá à unidade contatar a área de RH do Centro.


Novamente, a situação dos trabalhadores terceirizados é desconsiderada e isso, na opinião do Sinteps, é uma lamentável discriminação e desrespeito à vida destes profissionais.


Desde o início da adoção de medidas de isolamento social para conter o contágio pelo coronavírus, o Sinteps vem se posicionando e cobrando diariamente do Centro que dê garantias de proteção a toda a comunidade acadêmica, preservando a vida de todos.


O Sindicato orienta os trabalhadores do Centro a ficarem atentos ao cumprimento das medidas previstas no comunicado 8, pois há relatos de direções locais que, mais realistas que o rei, tentam impor a presença dos trabalhadores na unidade, colocando sua segurança em risco. Se for o caso em sua unidade, denuncie ao sindicato pelo e-mail Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo..

 

EAD: Questionamentos e defesa dos direitos dos professores

Muito embora o governador tenha determinado a antecipação dos recessos anuais (abril, julho e outubro) para os professores da rede estadual de educação e para os professores do Ceeteps, o Sindicato detecta que as orientações geradas pelos comunicados da Superintendência, da CESU e da CETEC vão em outra direção.


A análise destas orientações mostra que, embora se fale em recesso, na realidade os professores estão sendo colocados em atividade, no regime de teletrabalho. As equipes gestoras estão encaminhando atividades para os docentes fazerem planejamento, treinamentos e inserção de atividades aos alunos, o que caracteriza trabalho e não recesso.


No ofício que você confere a seguir (Ofício Sinteps 12/2020), a entidade cobra esclarecimentos às dúvidas que rondam a categoria.

 

.....................................................................

 

OFÍCIO 012/2020 – SINTEPS (clique para ler em PDF, se preferir)

 

São Paulo, 23 de março de 2020.

 

Prezadas Senhoras


Patrícia Ellen da Silva
Secretária do Desenvolvimento Econômico

Prof. Laura Laganá
Diretora Superintendente do CEETEPS

 

Muito embora o governador tenha determinado a antecipação dos recessos anuais (abril, julho e outubro) para os professores da rede estadual de educação e para os professores do CEETEPS, as orientações geradas pelos comunicados da Superintendência, da CESU e da CETEC, bem como a cartilha do teletrabalho publicada em 20/03/2020, vão em outra direção e, por estas orientações a partir de hoje:

  1. Estamos em teletrabalho e não em recesso.
    As equipes gestoras estão encaminhando atividades para os docentes fazerem planejamento, treinamentos e inserção de atividades aos alunos, o que caracteriza trabalho e não recesso;
  2. Estes dias de teletrabalho devem ser contabilizados para os 200 dias letivos e/ou 800 horas de aulas, pois são de efetivo exercício.
  3. Como estamos em teletrabalho, reivindicamos a imediata suspensão do recesso escolar e que sejam estabelecidas novas regras, visto que NINGUÉM suportará ir de abril a dezembro sem recessos. A medida é inconsequente.


Consideramos que as medidas tomadas pelo CEETEPS são no sentido de não perder o semestre letivo, o que é bom para os alunos, docentes e toda comunidade escolar, desde que, ESTEJAMOS EM EXERCÍCIO E NÃO EM RECESSO.


Consideramos ainda que:

  1. Nem todos os alunos têm acesso à Internet;
  2. Nem todos os professores têm acesso à Internet;
  3. Nem todos os docentes e discentes possuem computadores pessoais para inserir atividades ou recebê-las;
  4. Não será um tele treinamento que vai dar conta das dificuldades que muitos terão em usar as plataformas, visto serem nossos professores contratados para atividades presenciais, não sendo de seu domínio pleno o uso de plataformas;
  5. Há um pedido do governo para que não se lancem muitos vídeos na Internet neste período de crise para não colapsar o sistema;
  6. As disciplinas de laboratório e oficinas não poderão ser feitas a distância.


Como o CEETEPS irá equacionar todos os problemas que irão surgir é uma reivindicação recorrente dos docentes que precisa ser urgentemente respondida.

 

Aguardando urgente retorno,

 

Silvia Elena de Lima
Presidente do SINTEPS