Sindicato quer todos os trabalhadores em segurança, por isso continua considerando vital suspender todas as atividades. Imposição do ensino à distância pode ser caminho sem volta

Em novo informe à comunidade sobre o coronavírus (Comunicado 5, de 18/3/2020), a Superintendência do Centro Paula Souza estabelece novas medidas.

Entre elas:

- A liberação de todos os docentes de ETECs e FATECs, a partir desta data, para realizarem suas atividades remotamente;

- A extensão do regime de teletrabalho aos servidores não abrangidos pelo Decreto 64.864/2020 (acima de 60 anos, com doenças crônicas etc.). Neste caso, a recomendação é que as unidades adotem esquema de rodízio para garantir um funcionamento mínimo no período de 10 às 16h.

 

Do primeiro comunicado até o este último temos observado avanços, mas, ainda há trabalhadores em risco e não descansaremos enquanto todos estiverem protegidos.

 

Ainda, a ausência de regras claras para o “funcioamento mínimo”, no caso dos administrativos, já começa a abrir espaço para interpretações exóticas por parte de alguns diretores de unidade, provavelmente ainda alheios à gravidade da situação. Se você se sentir prejudicado, acione imediatamente o Sinteps pelo e-mail Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo..

 

O Sindicato continua reivindicando da instituição que haja urgência nos procedimentos de isolamento social, medida considerada esencial pelas autoridades sanitárias no combate à proliferação do contágio. Isso significa que todos os trabalhadores devem ser liberados do trabalho presencial. A medida deve, obrigatoriamente, incluir os trabalhadores terceirizados, também membros da nossa comunidade.

 

A vida das pessoas deve estar em primeiro lugar.

 

EAD: Medida oportunista e preocupante

O Comunicado 5/2020 traz, também, a informação de que o Centro fará uma série de capacitações de supervisores e gestores pedagógicos regionais, nos dias 19 e 20/3, para “utilização de plataformas eletrônicas para trabalho e ensino à distância”. Em continuidade, a partirde 23/3, a capacitação será voltada aos professores, coordenadores pedagógicos e de cursos. Após 30/3, os docentes devem “retomar suas funções em regime de teletrabalho para ambientação e acolhimento dos alunos no ambiente virtual”, devendo “replanejar as atividades de acordo com a nova realidade”.

 

Muito embora o Conselho Estadual de Educação (CEE) tenha estabelecido novas regras ATRAVÉS DA DELIBERAÇÃO CEE 177/2020, fixando normas quanto à reorganização dos calendários escolares, devido ao surto global do Coronavírus, para o Sistema de Ensino do Estado de São Paulo, dentre as quais destacamos:.

 

VIII - utilizar os recursos oferecidos pelas Tecnologias de Informação e Comunicação para alunos do ensino fundamental e do ensino médio e da educação profissional de nível técnico (Deliberação CEE 77/2008 e Indicação CEE 77/2008), considerando como modalidade semipresencial quaisquer atividades didáticas, módulos ou unidades de ensino centrados na auto-aprendizagem e com a mediação de recursos didáticos organizados em diferentes suportes de informação que utilizem tecnologias de informação e comunicação remota.

Parágrafo único - No Ensino Fundamental, no Ensino Médio e na Educação Profissional, excepcionalmente, na atual situação emergencial, quaisquer componentes curriculares poderão ser trabalhados na modalidade semipresencial. As atividades semipresenciais deverão ser registradas e eventualmente comprovadas perante as autoridades competentes e farão parte do total das 800 (oitocentas) horas de atividade escolar obrigatória.

IX - rever a programação para o recesso, bem como as referidas a provas, exames, reuniões docentes, datas comemorativas e outras.

 

Levantamos muitos questionamentos para a aplicação prática destas medidas, quais sejam: 

 

  1. Qual é o impacto na qualidade dessa modalidade na formação dos estudantes que ficarão privados, na parte de técnica, de aulas práticas fundamentais à profissão e, na base comum, ficarão desnivelados em relação a outros estados, que poderão ter reposição presencial das aulas? 
  2. Nessa linha, como serão enviadas as atividades aos estudantes sem acesso regular à Internet (a explicação dada no documento é muito confusa, pois fica em aberto o estudante vir buscar as atividades na unidade) e o que acontecerá se esses se recusarem em ter seu curso desta forma? 
  3. Como serão tratados os professores sem acesso à Internet em sua residência? 
  4. Como pretendem dar qualidade às aulas se o TREINAMENTO PARA OS PROFESSORES SERÁ DE UMA SEMANA?

 

Vale ressaltar que o Comunicado 5 não deixa claro que a antecipação do recesso foi suspensa. Já que os docentes estarão em capacitação, não podem ao mesmo tempo estar em recesso. Aliás, o comunicado diz que eles retornam ao trabalho no dia 30/3, do que se depreende que estariam em recesso e, ao mesmo tempo, recebendo capacitação? Isso é ilegal.


Se você se sentir prejudicado, acione imediatamente o Sinteps pelo e-mail Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo..

 

Para o Sinteps, não há dúvidas sobre a importância das tecnologias de informação e comunicação (TICs) e da sua capacidade de permitir o diálogo entre os membros da comunidade e desta com a sociedade. No entanto, a utilização destas tecnologias para a transformação de cursos e disciplinas presenciais, da noite para o dia, em cursos e disciplinas à distância, é algo absolutamente descabido frente à realidade que tem se agigantado e que fatalmente se imporá entre nós nas próximas semanas.


Além disso, sobre a ideia em si da transformação súbita de disciplinas presenciais em disciplinas à distância, devem ser levadas em conta situações específicas, decorrentes das desigualdades de acesso existentes entre docentes e estudantes.


O Sinteps – em consonância com as entidades representativas das universidades estaduais paulistas, que compõem o Fórum das Seis – conclama a direção do Centro Paula Souza a rever estas diretrizes. Ao mesmo tempo, coloca-se à disposição de todos os que se sintam constrangidos a efetuar esta mudança e cobrará do Centro um posicionamento responsável a respeito do cumprimento da carga didática do presente semestre, mas no momento correto: quando a pandemia tiver passado e possamos retornar a nossas atividades normais.

 

NÃO AO EAD!

SUSPENSÃO DE TODAS AS ATIVIDADES, JÁ!

NÃO SE TRATA DE SALVAR O SEMESTRE, MAS SIM DE SALVAR VIDAS!

 

No fechamento desta matéria às 13:00 de 19/03/2020, o Sinteps foi informado que novo comunicado do Centro Paula Souza circulará em breve. Fique atento.