Base governista se unifica e aprova projeto de reajuste sem emendas

O projeto de lei complementar (PLC) 1/2018, de autoria do governador Geraldo Alckmin, foi aprovado na Assembleia Legislativa em votação nesta terça-feira, 13/3. O texto foi aprovado sem alteração, ou seja, nenhuma das emendas que propunham reajustes maiores ou, no mínimo, que todos recebessem percentual de 7%, foi aceita.


Desta forma, o reajuste será de 4% para os policiais civis e militares; de 7% para o magistério e professores do Centro Paula Souza (aqui também se incluem os auxiliares de docente), e de 3,5% para as outras categorias (aqui se incluem os administrativos do Centro). De acordo com o projeto, a vigência do reajuste é a partir de 1º/2/2018. Os servidores com direito ao auxílio-alimentação (os que ganham até R$ 3.777,90) tiveram o valor alterado de R$ 8 para R$ 12.


O Sinteps estava apoiando, em especial, as emendas apresentadas pelos deputados João Paulo Rillo (PT) e Carlos Giannazi (PSOL), que previam, respectivamente, a extensão dos 7% para todos e a concessão de 31,4% para todos (para recuperar a inflação desde julho/2013).


Os reajustes previstos no PLC 1/2018 nem de longe repõem a enorme perda salarial imposta por este governo aos servidores públicos paulistas.

 

Foco no data-base

No Ceeteps, nós estamos em período de data-base (1º de março), ou seja, a época de cobrar do governo que negocie nossa pauta de reivindicações. Neste ano, temos 25 reivindicações, entre elas: reajuste salarial (recuperação das perdas salariais da categoria de acordo com a inflação oficial acumulada no período de março de 2013 a março de 2017, pelo índice do ICV-Dieese, equivalente a 32,63%); a implantação do Plano de Saúde Institucional, aprovado pela lei 1.240/14; implantação do auxílio alimentação de R$ 850,00 para todos; licença maternidade de 180 dias para todas; entre outras.


Queremos a revisão da carreira em vigor, o que significaria contemplar a maior parte dos itens da nossa Pauta 2018: volta da política salarial do Cruesp; implantação do plano de saúde; jornada para os docentes; enquadramento por titulação ao pessoal auxiliar de docente e administrativo; fim do interstício para a promoção por titulação; fim das avaliações de desempenho para a progressão; retorno da sexta-parte; entre outras.


Leia mais sobre a data-base 2018 e os próximos passos da mobilização em http://www.sinteps.org.br/noticias/1155-setoriais-aprovam-pauta-da-data-base-2018-agora-e-preparar-a-mobilizacao