Vestibulinho/vestibular 2018: Sinteps reivindica fim da nota de corte e garantias para os docentes

Conforme divulgado anteriormente, as denúncias e o chamado à greve em defesa do emprego, feitos pelo Sinteps, impulsionaram a mobilização em muitas unidades do Centro.


Embora insuficiente para definir a deflagração da greve, a mobilização ganhou as ruas em vários municípios e produziu efeitos decisivos, como a divulgação das grades curriculares dos cursos das ETECs para 2018. Até então, a Superintendência vinha mantendo as grades em sigilo, levando à desconfiança de que tentaria implementar a reforma do ensino médio já no próximo ano, embora sequer a Base Nacional Comum Curricular (BNCC) tenha sido divulgada pelo governo ainda.


As grades permanecem com a mesma composição e carga horária, o que representa uma vitória para a categoria!Outra notícia positiva foi a prorrogação do prazo para inscrições para as ETECs até 15/12. Mas os problemas não se resumem a isso.


O adiamento da atribuição de aulas para fevereiro (sempre ocorreu em dezembro), no caso das ETECs, traz enormes incertezas para os docentes, que sequer sabem como será sua vida funcional em 2018.

 

Sinteps reivindica

Diante desse quadro, o Sintepsestá cobrando da Superintendência as reivindicações a seguir:

  • Suspensão das notas de corte no vestibulinho/vestibular (1,5 candidato por vaga), ou seja, garantia de vagas para todos os aprovados, como deve ser o papel da escola pública;
  • Atribuição de aulas nas ETECs em dezembro, como sempre ocorreu;
  • Garantia do emprego de todos os docentes.

 

Novas iniciativas de luta

Nesta terça-feira, 12/12, o pessoal da ETEC Lauro Gomes protagonizou mais uma importante iniciativa de luta. Professores e estudantes da unidade passaram a tarde na Assembleia Legislativa (Alesp), onde foram recebidos pelo Colégio de Líderes (instância que reúne os líderes de todos os partidos na casa). Acompanhados de diretores do Sinteps, eles expuseram a situação aos deputados, defenderam as reivindicações (acima) e pediram o apoio deles no sentido de sensibilizar a direção do Centro e o governo.


A movimentação na Alesp também contou com a presença de estudantes da ETEC Getúlio Vargas.

 

Mobilização continua

O Sinteps conclama os trabalhadores a manterem e ampliarem a mobilização. Nos locais onde as atividades foram impulsionadas, os resultados têm sido muito bons. Estão sendo coletados abaixo-assinados, moções juntos a vereadores e deputados.


Converse com os colegas de sua unidade e entre na mobilização. Os materiais de apoio (modelos de moção, por exemplo) estão no site (www.sinteps.org.br), em “Fique por dentro” – “Mobilização em novembro 2017”.