Greve em 15/5: Maioria vota SIM a parar em defesa da educação pública, do direito à aposentadoria e das nossas reivindicações no Centro

A reunião do Conselho Diretor (CD) do Sinteps – com a presença dos diretores de base, regionais e executivos –, realizada em 10/5, tabulou os resultados das assembleias setoriais convocadas para discutir o indicativo de adesão dos trabalhadores do Centro Paula Souza à GREVE NACIONAL DA EDUCAÇÃO, que acontecerá em todo o país no dia 15 de maio de 2019.

 

Embora o tempo para realização das assembleias setoriais tenha sido curto, em torno de uma semana, um bom número de unidades reuniu-se para definir uma posição.


A ampla maioria dos que compareceram às assembleias votou SIM à adesão ao dia de greve, que está sendo convocado pela Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação (CNTE) e entidades sindicais e estudantis do ramo da educação de todo o Brasil. A paralisação tem pautas coletivas (como a defesa do direito à aposentadoria, contra a reforma da Previdência do governo Bolsonaro, e contra os cortes de verbas na educação pública) e as pautas específicas de cada categoria.


Mesmo com o indicativo de adesão já aprovado, o Sinteps orienta as unidades que ainda não se posicionaram a fazê-lo até o dia 14/5. Todos os materiais necessários para isso estão no site (em “Fique por Dentro”). Posteriormente, envie a posição de sua unidade para Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.. Passado o dia de paralisação, o Sindicato entrará em contato com a Superintendência, como sempre faz, para negociar a reposição do dia.


É importante que a nossa adesão seja o mais ampla possível. Além de somar forças com as demais categorias da educação nas pautas coletivas, é uma oportunidade para pressionarmos a Superintendência do Centro e o governo Doria a negociar seriamente nossa Pauta de Reivindicações 2019. Nossas prioridades nesta campanha salarial: reajuste para todos, mudanças na carreira, valorização efetiva dos trabalhadores técnico-administrativos, plano de saúde institucional, enquadramento especial para os administrativos e auxiliares de docentes, garantia do emprego docente (clique aqui para conferir como andam as negociações).