Ceeteps ignora caos vivido na maioria das cidades e pressiona comunidade escolar a manter calendário fictício

Em meio à grave crise que passa o país – potencializada pela greve nacional dos caminhoneiros, que coloca em xeque a política do governo submeter o nosso país, autossuficiente em petróleo, às variações e interesses do mercado internacional – a Superintendência do Centro Paula Souza age como se estivesse alheia a tudo... recém-chegando de férias.


Em comunicado às unidades, a orientação da Superintendência é para ignorar o caos gerado pelo desabastecimento – estima-se que 90% dos estudantes e trabalhadores não estejam conseguindo chegar às escolas – e manter o calendário normalmente. O comunicado apenas diz que “casos excepcionais” devem ser tratados individualmente pela direção da escola junto à Coordenação de Ensino.


Fica clara a intenção do Centro de manter as aparências apenas para evitar a reposição das aulas, postura que vai contra a própria declaração do governo, que garantiu que não haveria faltas para trabalhadores e alunos destes dias.


O Sinteps faz um chamado às direções de unidade para usem o bom senso, não considerando o dia como letivo em situações em que há uma presença ínfima de estudantes na escola. Aos trabalhadores, caso seja esta a situação em sua unidade, a orientação é para que denunciem à imprensa a farsa das aulas.


O Sindicato está cobrando a Superintendência para que reveja sua postura!