Reforma da Previdência: Governo recua, mas trabalhadores devem manter a guarda

Em meio à realização de mais um Dia Nacional de Luta contra a reforma da Previdência, que movimentou o país na segunda-feira, 19/2/2018, o Congresso Nacional anunciou a suspensão da tramitação de todas as propostas de emenda à Constituição (PEC) enquanto vigorar o decreto que determinou a intervenção federal no Rio de Janeiro, inicialmente prevista para durar até dezembro deste ano. Com isso, está suspensa a tramitação da PEC 287/2016, que propõe a reforma da Previdência.


Fato é que, passados 15 meses desde que a PEC 287 foi apresentada, o governo ainda não conseguiu garantir os 308 votos de que precisa para sua aprovação na Câmara dos Deputados. Embora a base governista seja ampla maioria na casa, a enorme impopularidade das propostas, que significam um duro golpe contra o direito dos trabalhadores à aposentadoria, faz com que a maioria dos deputados tenha medo da represália popular nas urnas.


A resistência dos trabalhadores tem sido fundamental para que os parlamentares sintam-se pressionados. As grandes manifestações realizadas no transcorrer de 2017, com destaque para a histórica greve geral de 28 de abril, e as mobilizações de 19/2/2018 conseguiram impedir a votação da reforma da Previdência até este momento.


Neste dia 19/2, em todo o país, houve paralisações e atos públicos. Na capital paulista, mais de 20 mil pessoas ocuparam a Avenida Paulista, representando dezenas de categorias, entre elas os trabalhadores do Centro Paula Souza.

 

Manter a guarda

Nada que diz respeito a esse governo é confiável. O “mercado’ – leia-se grandes bancos e seguradoras, ávidos por abocanhar o rico filão da previdência – ainda pressiona o governo golpista de Michel Temer a aprovar a PEC 287/2016.


Por isso, temos que manter a pressão! Se votar, não volta!


A Frente Parlamentar Mista em Defesa da Previdência Social fez um levantamento completo sobre a posição de cada deputado federal sobre a PEC 287 neste momento – a favor, contra, indeciso.


Basta entrar no site da Frente para enviar mensagem para todos os deputados federais (ou por estado) em um único clique. O site também fornece listas por estado com a posição de cada parlamentar.

 

Para acessar, clique em:

https://www.frenteparlamentardaprevidencia.org