De olho em 2018, Alckmin anuncia reajuste, mas perdas permanecem

A aproximação das eleições presidenciais já produz os primeiros resultados. Na manhã de 4/1, o candidatíssimo Geraldo Alckmin anunciou reajuste de 3,5% para todo o funcionalismo. A exceção ficou os policiais (4%) e professores (7%). O reajuste é válido a partir de 1/2/2018, mas só entrará em vigor após aprovação de projeto de lei na Assembleia Legislativa.

 


Os servidores que ganham até R$ 3.777,90 têm direito ao auxílio-alimentação, que passará de R$ 8 para R$ 12.


O Sinteps consultou a Superintendência do Centro Paula Souza, que informou o seguinte:

  • Professores do Centro terão reajuste de 7%
  • Funcionários administrativos do Centro terão 3,5% (o mesmo está acontecendo com os funcionários administrativos da Secretaria da Educação). Auxiliares docentes incluem-se aqui.

Segundo a professora Laura Laganá, os professores tiveram reajustes maiores por causa do piso mínimo nacional, que subiu 6,81%.


O Sinteps fornecerá mais detalhes à medida que for obtendo as informações. Fique atento.


Foco na data-base

A iniciativa do governador em conceder reajuste, a primeira neste mandato, é movida por seus interesses eleitorais. Mas nem de longe ameniza a situação do funcionalismo paulista, que sofre forte arrocho salarial.


No Centro Paula Souza, estamos iniciando nossa campanha salarial 2018. É hora de mobilizar. Leia mais sobre isso em aqui.