O Sinteps está cobrando uma audiência com a Superintendência do Centro Paula Souza para debater as iniciativas que estão sendo tomadas pela instituição para iniciar a reforma do ensino médio nas ETECs. Conforme matéria divulgada pelo Sindicato – clique aqui e confira – a proposta de “cursos piloto” em 2018 é o primeiro passo para o desmonte da qualidade dos nossos cursos e a demissão de professores.


Confira a seguir a íntegra de um ofício em que o Sindicato questiona as medidas, pede a suspensão do processo e solicita audiência:

 


“Ilma. Professora Laura Laganá,

DD. Diretora Superintendente do Ceeteps,

 

Tendo conhecimento do teor do Ofício 071/2017-CETEC, enviado aos diretores de unidades em 3/10/2017, a Diretoria Executiva do SINTEPS manifesta a V. S.ª profunda preocupação a respeito das consequências das medidas ali propostas para a qualidade dos serviços oferecidos pelas ETECs.


Referido ofício encaminha aos diretores de unidades “proposta de matrizes curriculares elaboradas para estudos das possibilidades de implantação do Ensino Médio Técnico Profissional, segundo as disposições da Lei Federal 13.415/2017”, orientando-os a solicitarem “turmas piloto” para o primeiro semestre de 2018, uma espécie de laboratório para instituir a reforma do Ensino Médio em definitivo a partir de 2019.

           

Temos os seguintes questionamentos a fazer:

 

  • Em que se baseia o Ceeteps para definir o currículo de tais “cursos piloto”, se sequer foi aprovada a Base Nacional Comum Curricular (BNCC), conjunto de orientações que, segundo o governo federal, deverá nortear os currículos?
  • Em que se baseia o Ceeteps para propor cursos com tamanha redução da carga horária? Um dos “modelos” propostos, na área de Administração, por exemplo, reduz a carga de horas/aula de 4.320 para 3.600.
  • Em que se baseia o Ceeteps para reduzir a carga horária da esmagadora maioria das disciplinas, em alguns casos, para menos de um terço?
  • Considerando que o prazo dado para as unidades manifestarem interesse em oferecer os tais “cursos piloto” foi de uma semana, o Ceeteps considera realmente possível montar uma proposta de curso em tão exíguo tempo? Os alunos que ingressarem em tais cursos serão informados de sua condição de cobaias de uma experiência gestada em uma semana?

 

Frente às gravíssimas consequências que mudanças como essas terão sobre a vida dos docentes da instituição e dos discentes atendidos, o Sinteps solicita:

 

  • Agendamento urgente de uma audiência com a Superintendência para tratar do assunto;
  • Suspensão do processo de implantação dos “cursos piloto” e abertura de amplo debate com a comunidade acadêmica sobre as mudanças propostas.

           

Na expectativa de que esta Superintendência compartilhe da preocupação do Sinteps com a defesa da história de qualidade construída pelas ETECs ao longo de décadas de existência, aguardamos retorno às nossas solicitações e despedimo-nos,

 

Atenciosamente,

 

Silvia Elena de Lima

Presidente do Sinteps”