Sinteps indica: Vamos cruzar os braços em 30 de maio contra as reformas e pelas reivindicações dos trabalhadores do Centro

Em meio à gigantesca crise que o envolve, o governo Temer tenta mostrar ares de normalidade e mantém o calendário de votação de duas das principais reformas defendidas pelo empresariado que bancou sua chegada ao Planalto: a trabalhista e a previdenciária. Mas essa não é uma tarefa simples.

 

Acuado pelas denúncias diárias de corrupção e pelo descontentamento popular (apenas 7% de aprovação, segundo pesquisa DataFolha divulgada em 24/6), o governo atravessa momento crítico. No dia 20/6, o projeto de reforma trabalhista (PLC 38/2017) sofreu uma primeira derrota, sendo rejeitado pela Comissão de Assuntos Sociais por 10 votos a 9, fruto da crescente mobilização de todos os setores da sociedade. O projeto, entretanto, segue em tramitação e pode ser votado pelo plenário do Senado no começo de julho.


Neste quadro, o aumento da mobilização popular é decisivo. Após as grandes manifestações de março, a greve geral de 28/4 e o histórico ato em Brasília em 24/5 (com mais de 100 mil pessoas), as centrais sindicais estão convocando um novo dia de greve geral para 30/6, próxima sexta-feira.

 

Orientação do Sinteps


O Sinteps indica aos trabalhadores do Centro a adesão à greve geral de 30/6, fazendo desta data também um dia de paralisação por nossas reivindicações.


Após a apresentação da nossa pauta à Superintendência e ao governo, em março deste ano, poucos avanços tivemos, todos obtidos após a categoria demonstrar sua insatisfação paralisando o trabalho.


O governador ainda não enviou para a Assembleia Legislativa o projeto de lei com a equiparação salarial dos administrativos do Centro à Lei 1.080/2008. Diante da frágil mobilização da categoria neste ano, Alckmin não se sente pressionado a agilizar nada. É nosso interesse: PRECISAMOS PRESSIONAR O GOVERNADOR!



O Sindicato aguarda o envio do projeto à Alesppara, então, agregar a ele algumas emendas, que são as seguintes:

  • Extensão do enquadramento por titulação aos administrativos e auxiliares docentes. Este enquadramento, conquistado na carreira de 2014, aconteceu somente para os docentes, em julho do ano passado.
  • Implantação de uma gratificação para o pessoal dos cargos em confiança, similar a uma existente na Lei 1.080/2008 (chamada Abono de Satisfação aos Usuários), a ser incorporada aos salários. Como a equiparação salarial dos administrativos do Centro à Lei 1.080/2008 não trará melhorias para este pessoal, a implantação da gratificação seria um avanço importante.
  • Instituição do terceiro nível para as funções de escolaridade de nível básico.


Por isso, uma boa paralisação nas unidades do Centro nesta sexta, 30/6, ajudará a mostrar ao governador nosso descontentamento.

 

Sua unidade decidiu parar?


Se a paralisação foi aprovada na sua unidade, é preciso informar o Sinteps, pelo e-mailEste endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.. Isso é importante para que, após o dia de greve, o Sindicato negocie a reposição e o pagamento do efetivo exercício para todos, assim como ocorreu nas paralisações anteriores.


Informe também se o pessoal da unidade vai compor com outras categorias em atividades conjuntas neste dia. Posteriormente, envie fotos e detalhes para o Sinteps, que fará a divulgação.